Ritalina, um paradigma de crianças e adultos

Em recente leitura de um site de nossos irmãos portugueses, encontro a discussão sobre os benefícios e malefícios da ritalina, uma droga que causa muita polêmica.

Hiperatividade e ritalinaEm recente leitura de um site de nossos irmãos portugueses, encontro uma discussão sobre os benefícios e malefícios da ritalina, uma droga que causa muita polêmica.

O remédio foi e continua sendo um sucesso para a indústria farmacêutica, dado a situação das crianças atualmente e o benefício ao que se propõe.

Mas por que?

É necessário fazer melhores perguntas para se ter melhores respostas, como por exemplo:

  • Qual ou quais as causas da hiperatividade?
  • Por que ela aumentou nos últimos tempos e por que continua aumentando tanto?

O artigo português aborda um pouco essas questões, porém as pessoas continuam a viver automaticamente, querem resoluções rápidas para seus problemas sem se importar com as causas. Não querem deixar seus velhos hábitos, mesmo que seja necessário tomar remédios para a vida toda, com todos seus efeitos colaterais.

Causas para o uso da ritalina

Como causas podemos elencar os divórcios, que transtornam os filhos em qualquer idade, dado a dependência emocional em que nos encontramos na atualidade.

Também como foi mencionado pelo professor no artigo, as escolas estão cada vez menores para as mentes criativas que estão surgindo nesse século e as salas de aulas continuam como jaulas com seus sistemas atrasados de ensino. Ainda estamos com as mesmas salas de aulas do século 19.

Para exemplificar, quero que você veja este documentário chamado “Quando Sinto Que Já Sei“. Este trabalho foi feito graças a ajuda mútua através do site Catarse.

Acredite, isso é no Brasil e é um projeto independente feito com a contribuição de 487 pessoas que doaram R$ 49,758 pelo Catarse para que esse documentário fosse possível.

Pelo filme pode-se ver como as crianças podem aprender com gosto, ao ar livre, em escolas sem grades e lidando com seus conflitos diários com a ajuda do professor, que não é mais uma pessoa que irá determinar o que o aluno deve aprender para passar na prova, mas fazer o trabalho de orientador e estimulador de novos aprendizados.

E não é só a forma de aprendizado, mas também precisamos lembrar que as crianças estão usando uma boa parte do seu dia com jogos de computador, filmes e televisão que deixa a qualquer um com a mente acelerada; qualquer pessoa comum pode fazer o teste, desde que tenha a mínima percepção para sentir o que acontece dentro de si, como batimentos cardíacos e respiração; há filmes que nos deixam com os nervos tensos, basta fazer observar seus músculos e nervos enquanto assiste.

Alie a isso tudo a alimentação rica em gorduras, doces e farinhas e poderemos ter um melhor diagnóstico sobre déficit de atenção e hiperatividade.

O que fazer?

Para que você possa “recuperar” seu filho da dependência de remédios é preciso estar mais presente na vida dele do que seus pais estiveram.

Conheço uma criança com hiperatividade que tomou a ritalina por um tempo, mas os problemas dele não foram resolvidos porque seus pais não estavam dando atenção ao problema, mas buscando uma forma de maquiar a situação. Bem, creio que isso vem acontecendo sempre com todas gerações.

Mas quando estive próximo dessa criança, percebi que o mais ele queria é ter a oportunidade de fazer as coisas, de estar presente nas tarefas dos adultos.

Essa criança praticava natação e era muito bom para ele, porém seus pais não continuaram com esse tratamento. Acredito que nem o remédio ele toma mais.

E pelo que estou percebendo, está cada vez mais necessário diversificar e intensificar os esportes na vida dos jovens. Creio que além da natação o ciclismo seria uma boa opção para uma criança com hiperatividade.

Agora veja este outro relato:

“Quando eu era criança meus pais me levaram no judô, bicicross, pista de skate, tudo para ver se eu me interessava em entrar, mas eu gostei de nenhum e nunca me levaram a uma escola de natação. Aos 10 anos eu me afoguei no mar e fiquei com trauma de água. Mas nem assim eles tiveram ideia de me levar a enfrentar esse problema.”

Pra você ver que é preciso ter vontade de ajudar as crianças a resolver não só seus problemas diários, como também e principalmente ajudá-los em seus problemas de longo prazo.

Déficit de atenção

Há também a experiência que várias escolas estão implantando que é a meditação para crianças. Você pode encontrar diversos videos de entrevistas nas escolas.

Se você acredita que meditação é coisa de budista ou coisa do tipo religiosa, inclua uma atividade de relaxamento respiratório por 15 minutos diários.

Faça o teste por 20 dias e deixe um comentário, vou adorar saber.

O artigo citado é “Ritalina: o monstro da infância

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.