Conteúdo e informação

AS DIMENSÕES

Por Odair Deters
Espero que não necessite de uma camisa de força ou algo assim, nem que vá parar em um manicômio. Hoje próximo ao meio dia sai com um sol a pino e acho que meu cérebro esquentou demais e então durante a tarde resolvi estudar um pouco a questão das dimensões, para começar digamos que eu tenha 18 metros de tela e resolva fazer um canil para meu adorado cachorro(que eu não tenho), bom tendo os 18 metros de tela, eu poderia fazer um quadrado de 4,5m x 4,5 metros(18/4), o que daria uma área de 4,5×4,5 = 20,25 metros quadrados, que seria o melhor aproveitamento que eu poderia ter, dando assim mais espaço ao adorável cusco, porem se eu resolvesse usar os mesmos 18 metros e ao invés de fazer um quadrado, optasse por alterar e fazer um retângulo eu já passaria a limitar a área que o cachorrinho iria ocupar, ou seja, se eu alterasse uma lateral para 4,6m, teria a outra com 4,4m, o que daria 4,6m x 4,4m = 20,24 m², nota-se ai, já, uma leve redução do tamanho, e assim por diante qualquer movimentação, só diminuiria o espaço que o meu cachorro imaginário ocuparia, 4 x 5 = 20 m ², 3 x 6 = 18 m ²…
Porem o cálculo acima e dos mais simples, e alguns ate podem estar balançando a cabeça em negação e dizendo? “nada mais obvio”, ou “quem não sabe isto, deveria se enforcar em um pé de couve”.
Porem quero ir além, e mergulhar no mundo da ficção (será?) e por que não dos desenhos animados. Bom, estava eu vendo um desenho recente, obra para os pequenos, mas que muito adulto poderia tirar proveito, seja da batalha entre o espiritualismo que liberta e o materialismo do ver pra quer, bem como da própria questão dimensional, refiro-me a película: “Horton e o Mundo dos Quem”. Onde uma flor é arrancada de seu local seguro e vai parar no meio da selva, e dentro desta flor, em um minúsculo grão de pólen existe toda uma sociedade vivendo (o mundo dos Quem), e este mundinho passa a viajar pelo ar, sendo salvo por um elefante. O desenho representa bem a questão dimensional.
E os modernos físicos, já calculam muitas dimensões ( 11 no total), afirmando não ser ficção. E nos abrem a possibilidade de outros mundos ocultos, vagando por ai, que podem ter universos inteiros iguais ao nosso.
Aquela clássica historia de terror, onde o mostrengo pula de outra dimensão para seqüestrar a pobre menininha pode parecer fantástica demais, porem não inevitável segundo muitos físicos.
Bom, para respaldar isto tudo, e não ficar esta pessoa (Odair) praticamente desprovida de conhecimentos sobre física, matemática e afins. Começamos nossa historia com nada mais, nada menos que Albert Einstein, que tentando bolar uma teoria pra explicar a forca eletromagnética e a gravidade de uma só vez, deu o grande passo da física quântica, no entanto as respostas não vieram tão facilmente. Ate que outro alemão, Theodor Kaluza lhe enviou umas folhas cheias de contas, demonstrando que eletromagnetismo e gravidade eram faces diferentes da mesma moeda, mas com uma condição então áspera, para que isto ocorresse, necessitaria de uma quarta dimensão no universo. Opa, 4 dimensões? (outra além do comprimento, largura e altura).
Para elucidar melhor o exemplo: Digamos que você resolva marcar um encontro com um velho amigo. Para isto precisara previamente de 3 informações para achar o espaço tridimensional de Euclides (o grego que tornou notório as 3 dimensões). Ao marcar o encontro, você terá que dizer que estará na rua tal (dimensão direita/esquerda), número tal (dimensão para a frente/para trás), andar tal (para cima/para baixo). E ainda precisa dar uma quarta dica para não ocorrer um desencontro: o horário do encontro. Pronto: com 3 dimensões de espaço e uma de tempo qualquer um acha você. Mas num espaço de 4 dimensões não. Ele vem com uma direção a mais, e que não é nenhuma das que a gente conhece. Difícil de imaginar. Mas não impossível. Se desse para a gente andar numa dimensão extra, poderíamos chegar a qualquer ponto do nosso mundo de 3 dimensões por atalhos inusitados. É como se a 4ª dimensão tivesse o poder de torcer e retorcer o nosso espaço: ela criaria ligações impossíveis entre pontos distantes. Quer ir a Paris, Berlim, Nova York, Plutão, Marte ou a galáxia vizinha, bom tudo isto pode estar a um passo daqui.
Alguns exemplos que podemos citar remete as minhocas, lesmas, caracóis ou qualquer tipo de verme rastejante, estes seres conhecem tão só, uma única dimensão, a do “comprimento”, sentem lá suas sensações de dor e prazer, frio e calor, bom e ruim, e assim seguem rastejando. Imagine se pudéssemos falar a um destes vermes e lhes dizer que existe uma segunda dimensão chamada “largura”, com certeza eles negariam tal como alguns devem ter negado acima a descrição de uma quarta dimensão agora pouco, pois esta foge de seus sentidos tradicionais. Mas para um Boi, um cavalo ou um cachorro, a existência desta segunda dimensão e uma realidade, e eles passam a ter alem das sensações, as percepções. No entanto desconhecem a existência da dimensão “altura” que nos homens muito bem identificamos, tendo assim os 5 sentidos desenvolvidos (tato, olfato, paladar, audição e visão), ou seja, alem de sensações e percepções, temos a capacidade de emitir teorias.
Contudo uma quarta e nova dimensão pra nós figura quase como absurdo, por nos fugir a compreensão, tal como uma segunda dimensão não seria compreendida por uma lesma ou uma terceira por uma vaca. Uma quarta dimensão nos abre a possibilidade de universos paralelos, ou de mundos que se penetram e compenetram sem se confundirem, dando a quase inimaginável possibilidade de uma caixa de fósforos com 4 dimensões, abrigar uma quantidade infinita de objetos tridimensionais, ou mesmo uma galáxia inteira, pois esta quarta dimensão abriria um espaço entre o céu e a terra muito maior do que nossa vã filosofia pode suportar. Seria como um livro com infinitas paginas porem que continuasse fininho como aqueles pockets.
Mas a idéia de uma dimensão que está aqui, bem na nossa cara, e mesmo assim continua invisível não agradava. Então vários físicos tem tentado resolver isto. A conclusão mais comum e que essa outra dimensão não nos e perceptível por um motivo simples: ela estaria escondida no mundo ultramicroscópico, enrolada em si mesma, isto parece só complicar. Mas os russos no áureo tempo da extinta União Soviética, acabaram por desenvolver uma maquina fotográfica que conseguia fotografar uma dimensão extra, ao redor do corpo humano, a dita câmera foi chamada de câmera Kirlian, e hoje abunda pelas lojinha esotéricas, a qual consegue registrar algo mais, chamado por alguns de aura, ou corpo etérico, mas que os soviéticos denominaram de corpo biplasmático. É a quarta dimensão em nós mesmos.

O uso da geometria euclidiana como sendo a geometria própria para o mundo historicamente gerou um entrave ao desenvolvimento da geometria moderna. Porem justamente numa época marcada por profundo ceticismo, físicos começam a comprovar a existência de universos paralelos, a própria teoria da relatividade de décadas, nos da mais duas dimensões. Tempo e Espaço. E abre possibilidade para outras escondidas e não empiricamente prováveis. E se disse certa vez que em física primeiro se inventa e depois se descobre. As dimensões escondidas já foram inventadas. Falta só serem descobertas.
Quem sabe não temos a nosso redor inúmeras dimensões se penetrando e se compenetrando, possibilitando assim a existência dos mundos freqüentados durante os nossos sonhos, o mudo dos mortos, reinos perdidos, portais como o do triangulo das bermudas, compreensão para fenômenos estranhos como chuva de peixes ou de rãs, viagens no tempo, ou mesmo provar do êxtase do Nirvana indescritível segundo os monges que dizem ter tido este privilegio, registros da nossa historia perdidos no decorrer do tempo, ter contatos com os anjos, e comprovar a cruel existência dos infernos e a bondosa realidade dos céus. Bom, através de novas dimensões abrem-se as portas para possibilidades incognoscíveis para nós hoje.
As possibilidades são muitas, porem querer conhecer as dimensões, que hoje a física moderna já consegue estimar que sejam 11 ao todo com cálculos inebriantes, pode parecer muita presunção, bem sabemos que não conhecemos nem se quer nosso sistema solar, ate o momento não temos certeza do numero de planetas que giram ao redor do sol, para piorar não conhecemos nem direito os recôncavos do nosso planta Terra, e pra estrebuchar de vez, desconhecemos até a nós mesmos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.